Usuário:

Senha:


Esqueci a Senha!    
Cadastrar-se    



8642297  visitas
Desde 15/10/1999
usuários on-line: 388

 

   Sinalizadores - Ter ou Não Ter. Eis a Questão

        Como anunciamos no último FOL - Novidades, enviado toda segunda feira à nossos usuários, estamos lançando hoje este novo
espaço no FOL.

        O Fol-lhetim de certa forma atende pedidos usuários que solicitaram em nosso Fórum, uma maior interação de alguns consultores em assuntos de interesse geral do setor.

        Estaremos portanto à partir de hoje explorando temas atuais e importantes referentes ao setor da seguinte maneira:
Será colocado em neste setor de Dicas & Procedimento na categoria Fol-lhetim o tema do mês neste caso "Sinaliza dores - Ter ou Não Ter Eis a Questão", com um link para uma sala específica do Fórum, onde os usuários poderão dar sua opinião sobre o assunto.
Neste mês temos na estréia deste setor o consultor Rubens Vocci, conhecido por todos como Rubinho que nos apresenta o seu pensamento quanto a este polemico assunto que é o uso de sinalizadores no setor funerário.


Rubens Vocci - Rubinho
        Agradecemos imensamente o Rubinho pela sua participação e pelo batismo desse nosso novo setor (Fol-lhetim)e esperamos poder contar com a participação de todos com idéias e sugestões para vencermos os desafios e obstáculos lançados em nossa caminhada.
Neste mês, Rubinho será também o mediador do assunto em nosso Fórum, estimulando as pessoas a se colocarem e sugerirem ações relacionadas ao tema.

        Segue abaixo a apresentação deste primeiro tema:

        "Sinaliza dores - Ter ou Não Ter Eis a Questão"

        Há anos se discute sobre a utilização de sinaliza dores nos veículos funerários. Alguns embates, idas e vindas e contatos freqüentes com fabricantes e políticos tem tomado tempo precioso de empresários e dirigentes. Mas o que se denota de fato é que algumas conquistas afetaram de forma positiva uma pequena quantidade de empresários. Hoje essa dedicação regionalizada também sofre o retrocesso desse empenho. Revogações tomam conta de uma queda de braço sem fim. Temos agora que repensar sobre a necessidade de utilizar ou não esse equipamento e por fim ao disse-me-disse que assombra os funerários. Não se trata de assunto fundamental e que definirá rumos espetaculares ao nosso setor. Essa visão critica enfoca e invoca o apelo em desenvolvermos uma campanha pró-definição de um representante do setor na esfera política. Vários setores sem empenharam na eleição de seus representantes, e assim tocam seus interesses sem a preocupação do descompromisso. Eleger um representante do setor está parecendo ser mais fácil do que aprovar uma lei ou resolução de barra sinalizadora, é o que se vê. Não há disposição sequer dos fabricantes em dividir essa luta. Estamos sós, para variar. Ficar lutando por uma 'Luisinha' no teto de nossa frota está sendo assunto mais pessoal do que necessário. A utilidade desse dispositivo é duvidosa quanto a sua eficácia, pois nos cortejos haveriam de ter sinaliza dores em todos os carros para se proteger ou fazer visualizar os participantes.

        O poder publico demonstra mais uma vez que nossas reivindicações são frágeis diante de uma correspondência que estes esperam de nossa classe. Não somos unidos o bastante para permutarmos votos e etc em favor desse ou aquele deputado ou senador. Alguns empresários dispõem de ''amigos'' no poder, mas que pouco ou nada fazem de forma mais ampla.

        Lutar pela regulamentação na utilização desse equipamento é nobre, trata-se de um interesse do setor (sem muita utilidade) e deve ser defendido, mas falta-nos unidade, falta corpo para ocuparmos nossos espaços. Tudo e muito há que se fazer em nome do setor.

        Não conheço colegas que tenham conseguido obter boas vantagens com esse equipamento, ou contrario, receberam multas e mais multas, além de constrangimento dada a indefinição sobre o assunto, ora pode, ora não pode.

        Isso está se tornando por demais desgastante expondo empresários a situações de vexamos diante de policiais e autoridades em suas comunidades.
Está ocorrendo o reverso da idéia.

        Nossa postura tem de ser mais profissional. A falta de unidade dos empresários do setor, a falta de comprometimento com a comunidade política e a sociedade civil sempre nos manterá a margem das conquistas e do desenvolvimento.

        Autoria: Rubens Vocci - Rubinho
       
        Para você debater mais sobre este assunto, com troca de experiência e sugestões de melhorias, acesse o Fórum na sala FOL-lhetim e dê sua opinião ou clique aqui.
 






Envie este artigo para um amigo Imprimir este artigo Comentários







Voltar para a página anterior