Usuário:

Senha:


Esqueci a Senha!    
Cadastrar-se    



8465418  visitas
Desde 15/10/1999
usuários on-line: 56

 

 Famílias denunciam insegurança e abandono no cemitério São João Batista, em Manaus

Quase 20 mil sepulturas fazem parte do cemitério São João Batista, no bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul de Manaus. Mesmo sendo um dos principais da cidade, casos de furtos em jazigos têm sido comuns. Familiares de mortos reclamaram da insegurança no local.

Chegar para visitar a sepultura de um ente querido e ser surpreendido por uma cena de furto. A cena tem se repetido no cemitério, que abriga vários túmulos de personalidades da história do Amazonas e pessoas famosas desde 1891.

No jazigo do filho do aposentado Rubens Lucena, os furtos já somaram prejuízo de mais de R$ 400. Em menos de seis meses, criminosos tentaram levar mais uma vez a porta de alumínio da sepultura.

"Na primeira vez eu gastei, para colocar essa porta aqui agora, reforcei ela, tudinho, gastei 430 reais. Essa vez agora não levaram [a porta], mas estão preparando para levar, porque quebraram a dobradiça já. Eu estive aqui, coloquei outra fechadura, mas não adianta se não tiver segurança", disse.

Além da perda do filho, Rubens ainda sofre com o descaso e a falta de segurança dentro do cemitério. "Não tem consideração por nada, mexem nas coisas que a gente faz com maior sacrifício (...) Fico triste, minha esposa fica triste, porque a gente vem aqui, toda semana aqui, lava, zela, limpa", contou.

Não é preciso andar muito para ver que a situação se repete em muitos jazigos. A equipe de reportagem encontrou mais de dez sem as portas de alumínio.

Outros pertences também são furtados das sepulturas. Durante a ida da reportagem no local, nenhum vigia foi encontrado na área.
A Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp) disse que os roubos e furtos devem ser formalizados na delegacia por meio de Boletim de Ocorrência. Depois disso, a pessoa pode ir até a sede do órgão, dar entrada em um requerimento para solicitar providências.

A secretaria também nos informou que há equipes de vigilantes que se revezam em três turnos e que os dois portões de acesso ficam fechados após o horário de expediente. O disque denúncia para crimes no local é o 3214-8115.


Data de Publicação:  3/6/2017    Fonte: Por G1 AM


Envie este artigo para um amigo Imprimir este artigo Comentários








Voltar para a página anterior