Usuário:

Senha:


Esqueci a Senha!    
Cadastrar-se    



8465420  visitas
Desde 15/10/1999
usuários on-line: 57

 

 Cemitério Maruí, em Niterói, sofre com má conservação

Em um momento difícil como a morte, famílias que precisam enterrar os parentes no cemitério de Maruí, o maior de Niterói, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, reclamam do descaso. O abandono é visível e há covas e gavetas abertas e muito lixo nas instalações.

Imagens mostram o enterro de Ana Maria Leite da Silva no local há pouco mais de um mês. O único jeito de chegar à cova foi passar com o caixão por um caminho de terra cercado por lixo e mato alto. "Uma falta de respeito com a família, com a pessoa que está sendo sepultada. eu na hora não tinha o que falar. (...) eu não tinha palavras", afirmou um familiar.

A situação já é crítica há algum tempo. Em dezembro do ano passado, o Bom Dia Rio mostrou, com o Globocop mostrou túmulos abertos e até a laje do ossário que estava sendo usada como depósito. Na época, a Prefeitura de Niterói disse que estava fazendo obras emergenciais e que havia um projeto de uma parceria publico-privada pra reformar o local.

Mas, seis meses depois e a menos de 20 dias do prazo previsto para o serviço terminar, a situação ainda é grave. Imagens feitas no último fim de semana mostram uma gaveta do ossário aberta.

O deputado estadual Flavio Serafini, do Psol, entrou com uma representação no Ministério Público denunciando o caso.

"Uma das coisas que a gente priora é que se essa família quer depois dar uma destinação pros restos mortais, se é necessário uma exumação num caso de um processo judicial, isso é impossível, porque se tornou uma mistura de ossadas, um processo sem identificação", diz o deputado.

Quando Ana Maria foi enterrada, também faltava numeração na cova, que só foi identificada com um número um mês depois. "No dia não foi numerado, né. Agora depois dessa denúncia o cemitério resolveu numerar. E o meu medo é que eu não encontre o corpo da minha mãe daqui depois de três anos. Eu tenho esse medo de não encontrar o corpo da minha mãe", diz Caroline, filha de Ana Maria.

A prefeitura de Niterói afirmou que a obra do cemitério está dentro do cronograma e que será concluída no prazo.


Data de Publicação:  5/6/2017    Fonte: Por Bom Dia Rio


Envie este artigo para um amigo Imprimir este artigo Comentários








Voltar para a página anterior